Alma e Espírito


16/05/2013


NDM - 42

 

 

 

 

 

 Estudos da D. E.

 

Nos Domínios da Mediunidade

 

Estudo Sequenciado - Parte 42

              Renato Gomes de Oliveira

  

 

 

 

Metafísica:

Ciência do supra sensível.

Parte da filosofia que estuda a essência dos seres.

Inventário sistemático de todos os conhecimentos provinientes da razão pura.

 

 

 

 

 

 

 

 

                    

                                 Ante o Serviço - II

 

 

                                   

                                       Mário Quintana (1906-1994)

 

           Quando observamos a conhecida frase de Mário Quintana: "O segredo é não correr atrás das borboletas... É cuidar do jardim para que elas venham até você", percebemos em nossa vida que a ocorrência de borboletas e maripôsas têm ficado mais raras, porém mais coesas entre si.

Em tempos passados e não muito distante, viam-se borboletas e maripôsas, de todos os tamanhos e cores, e muitas quando voavam, o faziam em silêncio e delicadeza, outras estalavam suas asas, enunciando sua chegada.

Mas afinal o que aconteceu com as borboletas e as maripôsas que não as vemos mais, ruidosas ou com sutil levesa voejarem ?!  Será a presença do temido "Bicho Homem" ?!

Será que todos entendemos o outro significado do que nos quiz dizer o referido autor, o que ele quiz dizer além de simplesmente palavras ?

Fato é que todos amam borboletas e maripôsas coloridas, esvoaçantes, mesmo as menos coloridas e as menos bonitas, pois sabem que na sua maioria, são seres inofensivos, indefesos e belos, que enfeitam qualquer jardim bem folhado ou florido, mas que se esquecem ou ignoram de onde elas vêem.

 

  

 

Antes de ser uma borboleta ou uma maripôsa, obrigatoriamente há, pela evolução da espécie, a mecessidade de se ser lagarta.

Por vezes horrorosas, algumas agressivas, quase que na sua totalidade venenosas, outras temidas e mesmo odiadas.

Se alimentam de folhas e flores e, dependendo da quantidade e da voracidade, transformam os jardins em verdadeiros desertos.

Ninguém quer que lagartas estejam permanentemente em seu jardim, principalmente pelas agudíssimas dores e graves queimaduras que provocam em quem as tocar, ou por elas forem tocadas.

Do modo ou maneira de como cuidamos do jardim, ou do tipo da vegetação que ali cultivamos ou que ali permitimos,  é que aporta esta ou aquela espécime afim. Por isto é importante sabermos o que cultivar e como cultivar por que diretamente ligado a este proceder, está o que será atraído. Observamos assim, a importância do entendimento de que não devemos correr atrás de qualquer maripôsa ou borboleta, se não estivermos habilitados para lidar com os estágios evolutivos das espécimes e, se não nos precautarmos contra uma possível invasão das mesmas e prováveis acidentes.

Façamos, proporcionemos ou deixemos que elas venham até nós, ou ao nosso jardim, controladamente, implicando este imperativo, a certeza de que nos encontrarão habilitados como bons, entendidos e dedicados jardineiros.


 

                       Cuidemos para que nossa luz não seja treva,

 

Geralmente, borboletas e principalmente mariposas, parecem ter grande fascínio pela luz, por isso a comparação de Andre Luiz na afirmativa de que: "Dir-se-ia que se aglomeravam em derredor dos amigos encarnados em prece, quais mariposas incoscientes rodeando grande luz." , " vinham bulhentas, proferindo frases desconexas ou exclamações menos edificantes..."


       

                   Hylesia sp. Saturnídeo, inseto venenoso

 

A maioria dos acidentes, acontece com as lagartas (fase larval), porém, devemos tomar cuidado com espécimes de maripôsas (fase adulta), principalmente aquelas que quando pousadas, suas asas tomam o aspecto de um telhado. Acidentes nestes casos, ocorrem, devido ao fato de que quando voando juntas, ao se chocarem umas com as outras, e mesmo pelo movimento das asas e corpo, liberam pequenos flocos de pelos, contendo minúsculas "setas" que em contato com a pele humana, causam várias irritações no local atingido e, à distância, dores de cabeça, nauseas, vômitos, sangramentos na pele, gengivas, na urina, parada renal, pequenos ferimentos no nariz, e algumas vezes, coma e morte.

Portanto ao perceber maripôsas voando em grupos ou em derredor de lâmpadas, não permaneçam debaixo delas.

É importante ressaltar que a prevenção ainda é o melhor remédio contra acidentes de qualquer natureza. Assim, ao colher frutas, hortaliças, lenha ou estando em ambientes com vegetações, observe bem o local, troncos, folhas, gravetos, etc., antes de manuseá-los e mesmo passando por perto de gramíneas, arbustos e árvores.


 

Mas o que tem isso com a D.E. ?

 

Paralelo para que o médium saiba que sua posição, é deveras delicada. Ele está sempre no meio das trevas procurando fazer luz e,  que não adianta sentar-se à mesa, apenas com a vontade de servir. Sem conhecimento e sem educação mediúnica, não resta dúvida, ainda se esquecido da instrução com Cristo, consequências advirão da falta de habilidade e capacitação para fazer o melhor.

 

 

              

                                   cuidado com a camuflagem


Não viciar-se em ouvir constantemente os desencarnados, sem maior consideração para com os ensinamentos da própria doutrina. Aprender a observar e saber, que se a Luz está ausente, a treva está presente.

 

  

 

 

  

     Convite aos academicos e graduados que objetivam especialização.

 

 

 

 

Escrito por corujart às 09h48
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]

Histórico